fbpx
-->

FIV – FECUNDAÇÃO IN VITRO

Quer ser mãe e está a ponderar a opção de fertilização in vitro mas não é claro para si em que consiste essa técnica de reprodução assistida? Dizemos-lhe o que é e em que casos está indicado o tratamento de fecundação in vitro para conseguir uma gravidez e abordamos algumas das principais dúvidas que possa ter sobre esta técnica.

O que é a fecundação In vitro

A fecundação in vitro é uma técnica que permite fecundar um óvulo com um espermatozóide fora do útero, para a implantação subsequente dos embriões no útero. Este tratamento oferece maiores garantias de sucesso do que a inseminação artificial, embora, ao contrário, o procedimento seja um pouco mais complexo, como explicamos abaixo.

Esta técnica de reprodução, tal como a inseminação artificial, pode ser conjugal (com óvulo e espermatozóide dos membros do casal) ou com dador, quer com doação de óvulos,  quer com espermatozóides ou ambos , de acordo com o diagnóstico prévio de cada caso.

Foto de bebe
Foto de test de embarazo

Quando estã indicada a fecundação in vitro

Um tratamento de FIV é realizado para conseguir o máximo possibilidades de gravidez, face a causas muito diferentes de infertilidade masculina ou feminina, como as que a seguir mencionamos:

  • Idade materna avançada
  • Trompas de Falópio entupidas ou danificadas
  • Endometriose
  • Problemas da infertilidade  por fator masculino
  • Infertilidade inexplicada

Que posibilidades de sucesso tem a FIV

Não gostamos de falar sobre números ou estatísticas, porque acreditamos que cada caso é único, mas também acreditamos que deve ter todas as informações necessárias para que possa ter em conta que ninguém está em posição de garantir a gravidez que tanto deseja.

O nosso compromisso é ajudá-la, orientá-la e apoiá-la para oferecer-lhe a melhor alternativa e as maiores probabilidades de sucesso, mas, por muito que queiramos, não existem garantias absolutas quando falamos de reprodução assistida e queremos ser muito honestos com isso.

As possibilidades de sucesso dependerão de diferentes fatores além do próprio tratamento. A partir daqui, e lhe dar uma ideia aproximada, de acordo com os dados da Sociedade de Tecnologia de Reprodução Assistida (SART), a possibilidade de dar à luz um bebé após um tratamento de FIV é a seguinte:

  • 41-43% para mulheres com menos de 35 anos
  • 03-36% para mulheres de 35 a 37 anos
  • 23-27% para mulheres entre 38 e 40 anos
  • 13-18% para mulheres com mais de 41 anos

Se após um primeiro tratamento de FIV não houver gravidez, pode ser realizado um segundo ciclo e até um terceiro. Nós não recomendamos mais de três, no máximo.

Como é o processo do tratamento FIV

O processo de fecundação in vitro é realizado em várias fases, mas é completamente ambulatório. Isto significa que o tratamento será integralmente realizado na consulta e que não terá que permanecer internada. Nas duas horas seguintes, aproximadamente, pode ir para casa de forma tranquila.

Terá seguramente interesse em saber por onde começaríamos, no caso de submeter-se a uma fecundação in vitro, pelo que lhe queremos explicar-lhe, a título informativo, todos os passos do processo, para que com eles possa familiarizar-se. Em todo o caso, ter-nos-á ao seu lado para acompanhá-la em cada fase e para esclarecer qualquer dúvida, por mais pequena que seja.

O primeiro passo do tratamento seria a administração de hormonas, para aumentar o desenvolvimento dos seus óvulos. Durante esta primeira fase de tratamento, será controlada por ecografias e análises de sangue, para verificar os níveis hormonais. Uma vez que os resultados dos testes o aconselhem, será a hora de proceder à extração dos óvulos.

Foto de bebe feliz

A punção dos óvulos é realizada por aspiração com ultrassom, para orientar a seleção de óvulos. Este processo não requer anestesia, mas usaremos uma leve sedação. Como mencionámos, é um processo completamente ambulatório. Não é doloroso, mas pode ser algo desconfortável. Uma vez extraídos os óvulos, são  selecionados os de melhor qualidade e são unidos juntamente com o esperma no laboratório para conseguir a fecundação. Se a qualidade do espermatozóide for baixa, a técnica ICSI pode ser recomendada.

Se a fecundação for corretamente realizada, a célula começará por dividir-se e formar os primeiros estágios de um embrião. Se necessário, o ADN de uma única célula de um embrião pode ser verificado através de estudos PGD / PGS para descartar anomalias genéticas.

A transferência de embriões, isto é, a introdução no útero, geralmente ocorre entre o dia 3 ou o dia 5 do desenvolvimento embrionário. É um processo que envolve a introdução de um cateter que contém os embriões dentro da vagina, para colocar os embriões no útero. Se o embrião é se implantar no revestimento do útero e se desenvolver, é quando ocorre uma gravidez.

Quantos embriões são implantados com a FIV

Em colaboração com o seu médico, terá que decidir se deseja a transferência de um único embrião ou dois. Com dois embriões as possibilidades são multiplicadas, mas também terá que considerar, neste caso, a opção de gravidez múltipla. Atualmente, e de acordo com a legislação espanhola, a implantação de mais de 3 embriões não é permitida.

A tendência atual é não transferir mais de dois embriões e também deve saber que, graças aos últimos avanços na reprodução assistida, é possível conseguir a gravidez com a implantação de um único embrião selecionado (o melhor) e evitar a gravidez múltipla.

Após a intervenção, deve continuar com a medicação hormonal para ajudar na implantação do embrião. A hormona que será administrada tem o nome de progesterona e o seu objetivo é ajudar a engrossar o revestimento do útero.

Aproximadamente 12 a 14 dias após a transferência do embrião, já poderá submeter-se a um teste sanguíneo de gravidez, para confirmar se o tratamento foi bem sucedido e se há gravidez.

Existem riscos ou efeitos secundários asociados ao tratamento?

Seu desejo de ser mãe é o que a levou a embarcar neste caminho para obter essa gravidez que tanto quer, mas também tem saber que esse caminho pode não ser fácil. Talvez esteja a enfrentar a viagem mais excitante de sua vida que, no entanto, também pode ter os seus riscos associados e acreditamos que também é muito importante que conheça essa parte.

Quais são os possíveis riscos ou efeitos secundários da fecundação in vitro?

  • Stresse emocional
  • Efeitos secundários relacionados com a medicação e síndrome de hiperestimulação ovárica (OHSS), como dor abdominal, inchaço, retenção de líquidos, náuseas ou vómitos
  • O risco de infeção e sangramento durante a extração dos óvulos
  • O risco de gravidez múltipla, dependendo do número de embriões transferidos. Isso pode levar a parto prematuro e ao baixo peso da criança ao nascer.

No entanto, será constantemente supervisionada ao longo do processo, para ajudá-la tanto física como emocionalmente e informá-la sobre tudo o que precisa.

Nossos TRATAMENTOS

Rejuvenescimento Ovariano

É uma técnica revolucionária que envolve a reativação das células-tronco e dos folículos remanescentes no ovário.

IA – Inseminação Artificial

É uma técnica de reprodução assistida que a ajudará a engravidar com facilidade e segurança.

FIV – fertilização in vitro

É a união do óvulo com o espermatozóide em laboratório, para a obtenção de embriões já fecundados para transferência para o útero materno e gestação.

Foto ovodonacion

Doação de óvulos

Tratamento de fertilidade que consiste na realização de uma fertilização in vitro com óvulos de doadores anônimos. Se necessário, esse óvulo é fertilizado com sêmen do parceiro ou de outro doador.

Foto de Estudios Genéticos

Diagnóstico genético

Refere-se especificamente à técnica usada no caso de um ou ambos os pais terem uma anomalia genética. O embrião é analisado para determinar se carrega a mesma anormalidade genética.

O Método ROPA

Tratamento de fertilização in vitro compartilhado entre as duas mulheres. Uma mulher é a doadora do óvulo, enquanto a outra mulher é a substituta do embrião.

Marque a sua Consulta

Certificados Oficiais:

asproin
SEF
asebir
Joint-Commission
iso14001
iso9001

Registro Nacional da Sociedade Espanhola de Fertilidade

Sello_SEF2017_Centro_Colaborador